A devastação das florestas

Como vimos, o processo de degradação ambiental no Brasil já ocorria no período colonial. Os portugueses iniciaram a devastação das florestas brasileiras com a exploração do pau-brasil, que inseriu o país em uma série de ciclos econômicos voltados aos interesses das metrópoles europeias. A madeira era usada principalmente corno matéria-prima para a fabricação de produtos para tingir tecidos e para a fabricação de móveis. Calcula-se que mais de 80% das árvores de pau-brasil foram derrubadas, restando hoje pequenas amostras, geralmente em áreas de preservação ambiental, nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia.

A devastação das florestas

Essa árvore faz parte de uma complexa formação florestal, a Mata Atlântica, que foi o primeiro elemento do ambiente brasileiro agredido pela ocupação humana. A Mata Atlântica estende-se sobre um relevo de monos baixos, formação conhecida como “mares de morros”. Dada a sucessiva ondulação do terreno, as árvores constituiriam uma proteção contra deslizamentos de terra provocados por chuvas fortes. Atualmente, porém, esses morros já não dispõem dessa capa protetora de vegetação. As últimas áreas de Mata Atlântica do interior de São Paulo foram destruídas pela expansão acelerada da cafeicultura, na segunda metade do século XIX e no início do século XX. Atualmente, o litoral de São Paulo e o sul da Bahia abrigam as derradeiras manchas desse ecossistema, mas a especulação imobiliária, associada à expansão do turismo, representa uma constante ameaça a essas últimas áreas preservadas.

Tenta-se conter essa intensa destruição adotando leis que restringem a construção civil. Infelizmente, essas medidas nem sempre são aplicadas com a necessária eficácia por parte das autoridades, pois ao longo do litoral, em localidades que deveriam ser preservadas, ainda surgem condomínios e empreendimentos que aumentam os riscos de desequilíbrio ambiental. Para fortalecer a fiscalização, surgiram diversas ONGs (organizações não-governamentais) que lutam para implantar formas de manejo adequadas a essa região. Uma das mais conhecidas é a 505 Mata Atlântica, que se transformou em uma entidade muito forte e organizada.

Faça um comentário!