Filo Cnidários

Filo cnidários são seres aquáticos e vivem principalmente no mar, embora algumas espécies possam ser encontradas em água doce.
Os cnidários têm o corpo formado por duas camadas de células: por fora, a epiderme e por dentro, a gastroderme; entre as duas há uma grossa camada gelatinosa.

O filo cnidário recebeu este nome devido à presença de células especiais de defesa chamadas cnidoblastos, encontradas nos tentáculos das águas vivas, pois são conhecidos como “animais que queimam”.

Os celenterados são seres mais evoluídos do que os poríferos, pois apresentam células especializadas, cada uma desempenhando uma função diferente. Essas células são:

- Não especializadas, capazes de se transformar em outros tipos de células;
– De contração, fazem o corpo esticar e encolher;
– Sensitivas, percebem estímulos do meio ambiente (movimento da água e temperatura);
– Mucos, lubrificam e limpam o corpo;
– Digestivas, pegam pequenos pedaços de alimentos e os digerem.

O corpo dos celenterados ainda apresenta duas formas bem diversa: pólipo e
medusa.

A forma pólipo apresenta corpo cilíndrico e fixo, com uma cavidade central onde as células irão atuar em diversas funções. Por estar fixo às rochas pela parte inferior, apresentam na parte superior os tentáculos (para se alimentar) e no centro deles a boca, como única abertura para a entrada de água, alimento, oxigênio e saída das substâncias não aproveitadas e o excesso de água. Ex.: hidra, coral e actínia.

A forma medusa é de vida livre e o seu corpo gelatinoso assemelha-se a sino ou a um guarda-chuva. Apresentam também uma única abertura (boca) na parte inferior onde é rodeada por tentáculos que apresentam cnidoblastos. Vivem flutuando nas ondas do mar e podem atingir até 2 m.d.c. diâmetro. Ex.:
caravela e água viva.

Os celenterados são classificados em três grupos, de acordo com a forma do seu corpo: hidrozoários, cifozoários e antozoários.

Hidrozoários

Apresentam a forma de pólipo ou de medusa. Exemplo: hidra e caravela. A hidra locomove-se por cambalhota ou por deslizamento. A locomoção por cambalhota é feita quando a hidra dobra o corpo, fixa os tentáculos na rocha, solta a base que usava para se fixar, ficando como se estivesse de cabeça para baixo, dobra novamente o corpo, fixa a base e solta os tentáculos, retornando à posição normal. A reprodução da hidra pode ser assexuada ou sexuada.

Na reprodução assexuada, formam-se na lateral do corpo diversos botões (gemas) que crescem, formando brotos que se destacam e vão originar novas hidras. Na reprodução sexuada, os tentáculos e os ovários, situados na parte lateral do corpo, produzem respectivamente espermatozoides e óvulos. Os espermatozoides são lançados na água e nadam até encontrar os óvulos, dentro do corpo da fêmea, onde ocorre a fecundação. Forma-se então um ovo, que se desenvolve no corpo da mãe, transformando-se em uma nova hidra. A hidra também apresenta regeneração do seu corpo. A caravela é formada por um grupo de animais (colônia) que executam funções diferentes (flutuação, nutrição, defesa e reprodução). É considerado o terror dos banhistas por provocar intensas queimaduras no corpo das pessoas.

Cifozoários

A forma do corpo é medusa, com tamanhos variados, podendo alcançar cerca de 2 m de diâmetro, com tentáculos de até 30 m de profundidade. Como exemplo temos a água viva, que contém cerca de 99% de água em seu corpo. A aurélia aurita aparece em nossas praias, perto da arrebentação, produzindo queimaduras leves em banhistas. O movimento é conseguido graças às contrações do corpo que, empurrando a água para trás, impulsiona a água viva para frente.

Os cnidoblastos têm em seu interior os nematocistos que estão envolvidos por uma substância urticante, localizados nos tentáculos e em volta da boca, sendo muito úteis na captura de pequenos animais que servem de alimento. Sua reprodução é sexuada, com fecundação externa. As fêmeas soltam os óvulos na água, onde são fecundados pelos espermatozoides dos machos. Formam-se então ovos, dos quais nascem larvas, que se transformam em pólipos. Os pólipos passam por um processo de estrobilização, que origina novas águas vivas.

Antozoários

Apresentam-se apenas sob a forma de pólipo, vivendo em águas quentes e mornas. Exemplos: anêmona-do-mar e corais. As anêmonas-do-mar são conhecidas como actífias, mais parecidas com flores. Possuem corpo tabular, com a boca na parte superior, rodeada de tentáculos, sempre em número múltiplo de 6. Em geral é vermelha, mas existem algumas verdes. Sua reprodução é sexuada, com fecundação interna. Os corais são grandes massas calcárias, às vezes com alguns quilômetros de extensão ao longo da costa ou em torno de ilhas oceânicas.

Unem-se uns aos outros em forma de colônias muito densas. Sobre os esqueletos calcários dos corais instalam-se inúmeras espécies de algas, esponjas, mariscos, todos contribuindo para a formação dos conhecidos recifes de corais. A cidade de Recife, capital de Pernambuco, tem esse nome porque se acreditava que as formações que se encontram na entrada do porto são de recifes de corais.

Na verdade, não se trata de recifes verdadeiros, pois não são formações de corais, e sim da deposição de grãos de areia. Por serem muito bonitos, os corais vermelhos são utilizados para fazer joias. Por tanto, filo cnidário são estes seres aquáticos que acaba de conhecer e que vivem no mar ou em água doce.

Faça um comentário!