O Que é Humanismo?

Humanismo é uma corrente filosófica e artística que surgiu no século XIV focada na valorização do homem. Iniciado na Europa, o Humanismo representa o período de transição entre o Trovadorismo e o Classicismo, duas escolas literárias. Também marca a mudança da Idade Média para a Idade Moderna.

Foi no período do Humanismo que diversos clássicos da literatura foram escritos, como “Romeu e Julieta”, de Willian Shakespeare, “Dom Quixote de La Mancha”, de Miguel de Cervantes, “Os Lusíadas”, de Luís de Camões.

Qual o significado de Humanismo?

Em linhas gerais, humanismo significa “valorizar o ser humano e a condição humana acima de tudo”. Todo o conjunto de valores que focam no ser humano foram representados pelo termo “humanus”, que no latim significa humano.

O termo humanismo também caracteriza o movimento intelectual do século XIV que rompe com a influência da igreja (teocentrismo) e coloca o homem como centro do conhecimento (antropocentrismo).

Qual o contexto histórico do Humanismo?

Iniciado na Europa, o humanismo marca uma ideia e filosofia surgida durante o Renascimento, em que coloca o homem como centro de interesse, sendo que as coisas acontecem a partir dele.

Alguns fatores históricos marcaram o período, como o surgimento da burguesia, expansão marítima, desenvolvimento do comércio e surgimento de pequenas indústrias são alguns dos exemplos.

Um aspecto muito importante para sua criação foi o grande avanço científico da época, marcado pelas grandes navegações que buscavam expansão comercial e territorial. Ligada a ela temos a invenção da bússola e a teoria heliocêntrica de Galileu (acredita-se que o sol está no centro do universo).

Esta ciência permitiu que o homem pudesse compreender de forma clara o mundo e seu próprio ser. Grande parte da mudança se dá pela queda da influência da igreja no saber e expansão do pensamento antropocêntrico.

Quais são as características do Humanismo?

Consideramos como principais características do Humanismo:

  • O pensamento de antropocentrismo (homem no centro do conhecimento) em alta;
  • Racionalismo;
  • Cientificismo;
  • Descentralização do conhecimento marcada pela queda do monopólio da Igreja e desenvolvimento da imprensa;
  • Emoções humanas valorizadas por artistas;
  • Busca pela beleza e perfeição;
  • Ruptura da música e poesia. Cada uma delas passa a ser uma arte única.

A Literatura no Humanismo

O Humanismo também é uma escola literária dos séculos XIV e XV. Tem como marco inicial do humanismo em Portugal a nomeação de Fernão Lopes para cronista-mor da Torre do Tombo, em 1418.

Os principais autores deste período são: Fernão Lopes, Garcia de Resende, Gil Vicente, Miguel de Cervantes, William Shakespeare, François Rabelais, Luís de Camões, Erasmo de Roterdã, Dante Alighieri, Francesco Petrarca e Giovanni Bocaccio.

Foram publicadas diversas obras literárias durante o humanismo. Entre elas temos “Dom Quixote de La Mancha” (Miguel de Cervantes), “Romeu e Julieta” (Willian Shakespeare), “Macbeth” (Willian Shakespeare), “Megera Domada” (Willian Shakespeare), “Os Lusíadas” (Luís de Camões) e “A Divina Comédia” (Dante Alighieri).

Já em relação as produções literárias, há quatro tipos que foram mais comuns neste período. São eles:

  • Poesia humanista: Também conhecida como poesia palaciana, ela segue as mesmas características das antigas cantigas trovadorescas, mas devido a separação de música e poesia os textos passam a ser declamados em palácios;
  • Crônicas históricas: Por meio de documentos históricos a vida dos reis é retratada com rigor e objetividade;
  • Novelas de cavalaria: Eram histórias fantasiosas que contavam com personagens heroicos e que demonstravam muita lealdade e religiosidade;
  • Textos teatrais: Eram divididos em autos ou farsas. Sendo que os autos eram peças curtas que representavam cenas bíblicas. As farsas por sua vez, relatavam fatos do cotidiano da época, utilizando do humor exagerado ao retratar costumes sociais.

Leia também:

Trovadorismo e Humanismo

Características do Barroco

Crônicas Historiográficas

Difusão do Renascimento Cultural