Plano de Metas

 

O Plano de Metas foi o conjunto de objetivos estabelecidos pelo presidente Juscelino Kubitschek durante seu governo (1956-1960). O lema de JK era o famoso “50 anos em 5”, que proporcionaria ao Brasil 50 anos de desenvolvimento durante apenas 5 anos de governo – respeitando a democracia.

No total, eram 30 os tópicos do Plano de Metas (esboçados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, o BNDE), em diferentes setores da economia. Entre os principais itens estavam o crescimento econômico, por meio da produção de aço, alumínio, cimento e outros metais.

A 31ª proposta foi incluída de última hora: a construção de Brasília e a transferência da capital federal (até então, no Rio de Janeiro) para lá.

A proposta era semelhante ao intenso desenvolvimento que JK obteve enquanto governador de Minas Gerais, encabeçando diversos projetos de energia e transportes para levantar o estado.

Por que lançar um Plano de Metas?

Manter uma opinião pública favorável era a única maneira de JK seguir no poder, já que enfrentava grande oposição, desde que decidiu se candidatar a presidente do Brasil.

Pontos negativos do Plano de Metas

A princípio, com JK no poder, o país obteve 80% de crescimento. Para realizar os investimentos na indústria, porém, Juscelino aumentou a emissão da moeda, o que acabou desencadeando um processo inflacionário no Brasil.

Da mesma forma, a influência estrangeira nas empresas até então nacionais passou a ser cada vez mais forte. E os investimentos no desenvolvimento do país pelas multinacionais era inferior aos lucros que elas obtiveram em sua atuação no Brasil.

O resultado foi o aumento da dívida externa brasileira, durante muitos anos. Assim, as principais críticas a esse desenvolvimentismo de JK foi a forte dependência da economia brasileira ao capital internacional.

Atualizado em: 04/09/2019 na categoria: Historia do Brasil