Príons: proteínas anormais provocam doenças

As proteínas são componentes fundamentais para os seres vivos e responsáveis por diversas funções vitais do nosso corpo. o nome “proteína” vem do grego “protos”, que significa “o mais importante” ou “o primeiro”. Só para que você possa entender melhor, as proteínas são fibras que fazem a composição dos nossos fios de cabelo, dos nossos músculos e estão presentes nas enzimas que são responsáveis por digerir os alimentos que consumimos. As proteínas também são as responsáveis por catalisar as reações metabólicas e permitirem a construção de outras novas moléculas que são essenciais para a nossa vida.

Príons: proteínas anormais provocam doenças

As proteínas são identificadas através do código de genes que está presente no DNA e são formadas por diversos aminoácidos. Os aminoácidos costumam se unir através das ligações que são chamadas de ligações peptídicas e acabam formando uma enorme cadeia chamada de polipeptídio. Existe uma das proteínas que são produzidas, geralmente, pelo genes de qualquer animal. Essa proteína se chama proteína príon celular, ou sua representação PrPc. Essa proteína fica junto com as células nervosas e, quando estão em condições normais, não costumam provocar nenhum tipo de dano ao organismo do indivíduo.

Mas por consequência de algumas doenças que são chamadas de “doenças priônicas”, A PrPc pode ter toda a sua estrutura modificada e, devido a isso, acaba formando uma proteína alterada que foi denominada de príon. Os príons podem provocar alterações da conformação de PrPcs que estão normais e transforma-as em diversos príons. Este processo acaba gerando um reação em cadeia que acaba se tornando uma “máquina de produzir príons”. A maneira como isso acontece ainda não foi entendida plenamente pelos cientistas.

As primeiras identificações dos príons surgiram logo na década de 1960, foi quando alguns cientistas tiveram a hipótese de que os fragmentos de proteínas pudessem ser os verdadeiros causadores de algumas doenças. Por volta de 1980, um outro cientista conseguiu capturar e isolar essa suspeita proteína e foi então que, depois de alguns estudos, essa forma alterada da proteína começou a ser chamada de príon.