» » O Fim do Apartheid e a Dificuldade de Integração da África do Sul

O Fim do Apartheid e a Dificuldade de Integração da África do Sul

A  África do Sul foi colonizada por ingleses e holandeses. Durante séculos o país foi um importante fornecedor de ouro e diamantes para as potências europeias. No início do século XX, a minoria branca de origem europeia colocou em prática uma série de medidas discriminatórias contra a maioria negra. Começava a política do apartheid, regime de segregação racial que foi implementado no país para garantir a hegemonia branca.

Medidas Segregacionistas

As medidas segregacionistas foram legalizadas nas décadas de 1930 e 1940. Dentre as principais medidas destacavam-se

  • Proibição de casamentos inter-raciais;
  • Restrição à circulação de pessoas negras, criando áreas exclusivas para a população branca;
  • A lei de segurança nacional, que permitia prender sem julgamento qualquer negro que não se subordinasse às leis dos brancos.

Essas medidas também tinham expressão territorial. Em algumas regiões sul-africanas a população negra era obrigada a viver nos bantustões, áreas supostamente autônomas, mas cercadas pelo aparelho repressor oficial. Para sair dos bantustões, a população negra precisava de autorização expressa do governo. Estava também constantemente submetida a toques de recolher noturnos, que limitavam o horário de circulação nas ruas.

Resistência Negra ao Apartheid

A resistência negra ao apartheid era comandada pela frente denominada Congresso Nacional Africano, cujo principal líder era Nelson Mandela, condenado ‘a prisão perpétua pelos tribunais da minoria branca. Durante a década de 1970, a luta dos negros ganhou força com os protestos no subúrbio de Soweto, na cidade de Johan Nesburgo, duramente reprimidos pela polícia branca. No plano exterior, a África do Sul começou a ser boicotada nos circuitos esportivos e artísticos, além de sofrer bloqueio econômico de seus produtos por parte de diversos países, para forçá-la a acabar com o apartheid.

No início da década de 1990, o regime racista já não podia fazer frente à pressão internacional e começou a queda das leis segregacionistas. No mesmo ano de 1990 foi libertado o líder Nelson Mandela, que estivera preso por 27 anos. Nas primeiras eleições livres, em 1994. Mandela foi eleito presidente. Embora o apartheid tenha sido extinto e todos os cidadãos da África do Sul sejam agora iguais perante a lei, persistem enormes diferenças sociais entre a minoria branca e a maioria negra pauperizada. O país ainda em graves problemas estruturais, como a baixa escolaridade dos jovens negros, a crescente epidemia de AIDS e a explosão da violência, expressa por assaltos.

Atualizado em: 27/10/2017 na categoria: História Geral