O Modelo Agrícola da ex URSS

A Revolução Socialista Russa de 1917 implementou a coletivização da propriedade rural. A terra passou ao monopólio estatal, cedida aos camponeses para exploração. Com o passar do tempo, dois modelos acabaram predominando na área rural soviética: Sovkhozes – fazendas estatais mecanizadas, que foram perdendo produtividade devido à falta de estímulo para os trabalhadores e também porque os equipamentos ficavam obsoletos; e Kolkhozes – fazendas cooperativas, em que a produção era dividida entre os agricultores e o Estado. Os agricultores cooperados se beneficiavam quando a produção era maior.

Com o colapso do socialismo, esses modelos esgotaram-se rapidamente. Muitas fazendas estatais faliram e outras foram totalmente abandonadas. Muitas das antigas cooperativas, porém, conseguiram se manter e adquiriram a posse definitiva das terras graças ao processo de privatização iniciado na era Gorbatchev. Ainda restam milhões de hectares para serem privatizados. Acredita-se que o processo será muito lento, prejudicando o desenvolvimento da agricultura dos países da ex-União Soviética.  Os produtos agrícolas mais importantes dessa região são o trigo, cultivado na parte europeia, principalmente na Ucrânia e na Rússia, e o algodão, produzido na parte asiática, destacando-se como grandes produtores o Cazaquistão e a parte oriental da Rússia. O clima exerce uma forte limitação nas terras agricultáveis russas, obrigando os governos a fazer estoques reguladores para os períodos de inverno mais rigoroso.

Atualizado em: 27/10/2017 na categoria: Geografia Geral