» » Migração Pendular

Migração Pendular

A migração pendular, também conhecida como migração diária, caracteriza o percurso que muitas pessoas realizam quando deixam suas cidades rumo a outros locais, seja para trabalhar ou estudar.

Nesse caso, as cidades onde essas pessoas moram são chamadas de cidades-dormitório, onde elas vão apenas para passar a noite, retornando às cidades vizinhas no dia seguinte para continuar sua jornada de trabalho.

As migrações pendulares são mais comuns entre trabalhadores, mas também está bastante presente em estudantes.

Esse tipo de migração, apesar de não envolver um processo maior de deslocamento no qual o indivíduo leva consigo uma família, influencia diretamente a vida das pessoas e a economia de um local, pois interfere em questões como a mobilidade urbana, por exemplo.

A migração pendular no Brasil acontece em direção às metrópoles, pois é nas regiões metropolitanas que se encontram os maiores destinos para os migrantes pendulares, pois oferecem mais opções de trabalho, educação, lazer e saúde.

Dentre as principais causas da migração pendular está a segregação urbana e a concentração de atividades produtivas em locais específicos e afastados da população.

Migração Pendular e Sazonal

A migração pendular é caracterizada pela jornada diária de ida e volta de trabalhadores, já a migração sazonal é quando o migrante se baseia nas estações do ano para realizar sua jornada.

Também conhecida como transumância, ocorre quando o indivíduo deixa seu local de origem em determinada época do ano, retornando em outra estação. Esse tipo de migração era bastante comum entre os sertanejos nordestinos, que fugiam da seca do sertão em busca de melhores condições de vida e trabalho em outras regiões, como o Sudeste. Hoje em dia, esse fenômeno tornou-se menos frequente, mas ainda acontece nos locais mais assolados pela seca.

Atualizado em: 05/01/2019 na categoria: Geografia Geral