Fisiologia Humana – Fisiologia Celular – Transporte Celular

O QUE É FISIOLOGIA HUMANA?

  • A fisiologia humana é o ramo da ciência que estuda o funcionamento e equilíbrio do corpo humano, destinando-se a explicar os fatores físicos e químicos que estão envolvidos com a origem e propagação da vida humana, começando pelo estudo das células que compõem os órgãos.

FISIOLOGIA CELULAR

  •  A fisiologia celular estuda todas as suas estruturas e seu funcionamento.

FISIOLOGIA DA MEMBRANA CELULAR

  • A membrana plasmática é a principal responsável pelo controle do que sai e do que entra na célula. O sistema de membranas (que envolvem as organelas celulares) também tem a função de selecionar substâncias que entram e saem e, assim, manter a homeostasia (equilíbrio do meio intracelular).
    mosaico-fluido-fisiologia-da-membrana
  • A bicamada lipídica (ou fosfolipídica) é composta por fosfolipídios que são moléculas antipáticas que se dispõem na bicamada com a porção hidrofóbica apolar dirigida para o centro da membrana, e com a porção hidrofílica polar (cabeça com terminal fosfato) direcionada para o exterior ou interior da célula;
  • O colesterol: reduz ou aumenta a fluidez da membrana de acordo com a temperatura, funcionando como um “tampão de fluidez”;
  • A proteína intrínseca (ou transmembrana) é firmemente aderida aos lipídios da membrana e forma canais de transporte de substâncias e, também, é receptora específica de hormônios; 70% das proteínas de membrana são desse tipo;
  • A proteína extrínseca: liga-se à membrana por interação com a região polar dos lipídios ou por interação com as proteínas transmembranas (também conhecidas como integrais). A espectrina, por exemplo, é a proteína extrínseca responsável pelo formato bicôncavo dos eritrócitos;
  • A glicoproteína é uma associação entre carboidratos e proteínas de membrana;
  • Os glicolipídios são associações entre carboidratos e lipídios. As glicoproteínas e glicolipídios são marcadores responsáveis pela determinação dos grupos sanguíneos;
  • O glicocálice (ou glicocálix) é a união entre glicoproteínas e glicolipídios; é através do glicocálix que as células se reconhecem e se unem umas às outras para formar os tecidos.

MECANISMOS DE TRANSPORTE CELULAR

Proteínas de Transporte

  • Proteína de Canal – apresenta um canal aquoso ao longo de toda a sua molécula transmembrana, que permite o livre movimento de determinados íons ou moléculas (difusão);
  • Proteínas carreadoras – fixam-se às substâncias que vão ser transportadas e sofrem alterações em sua forma, transportando as substâncias através da membrana (transporte ativo).

TRANSPORTE PASSIVO: SEM GASTO DE ENERGIA

  • Osmose: transporte de solvente, contra o gradiente de concentração, através de membrana semipermeável e sem gasto de energia. Ex.: água;
  • Difusão: movimento de moléculas que seguem o fluxo do meio mais concentrado de soluto, para o menos concentrado, sem gasto de energia. A difusão que ocorre na membrana plasmática, pode ser de 2 tipos:
    1. Difusão simples: sem a necessidade de proteínas de transporte; ocorre com substâncias lipossolúveis; também ocorre por meio de proteínas de canais como “aquaporinas”;
    2. Difusão Facilitada: ocorre com auxílio de proteína transportadora (permease), que se liga à substância e a transporta para dentro ou fora da célula – isso ocorre com a glicose, por exemplo.

OBS.: Chama-se soluto a substância que pode ser dissolvida. O solvente é a substância que o dissolve.

TRANSPORTE ATIVO: HÁ GASTO DE ENERGIA

  • Se move contra um gradiente de concentração. Exemplo: Bomba de Sódio e Potássio.

TRANSPORTES EM BLOCO

  • Quando a células transferem grande quantidade de substâncias para dentro ou para fora do meio intracelular, esse transporte é sempre acompanhado de alterações morfológicas da célula.
  1. Endocitose: quando o transporte em quantidade é para o interior da célula; pode ocorrer por fagocitose (quando a célula engloba partículas sólidas) ou pinocitose (quando a célula engloba partículas líquidas);
  2. Exocitose: quando o transporte de substâncias, em quantidade, é direcionado para fora da célula.

Atualizado em: 27/10/2017 na categoria: Biologia, Fisiologia Humana