Maduro: Venezuela em Crise – O Que Está Acontecendo?

Nicolás Maduro ordenou o fechamento de fronteiras entre a Venezuela e países vizinhos a fim de impedir a ajuda humanitária solicitada pela oposição política. A crise na Venezuela hoje, 23/02/2019, já deixou vários mortos. A oposição afirma: a queda de Nicolás Maduro é uma questão de tempo.

Crise na Venezuela 2019

Maduro é considerado presidente ilegítimo por 34 países americanos desde quando foi empossado no dia 10 de janeiro para seu novo mandato, depois de não conseguir se eleger devido a suspeitas de fraudes apontadas pela comunidade internacional.

A direita venezuelana tenta dar um golpe de Estado desde que o antigo líder político, Hugo Chávez, faleceu. Desde 2013, quando Nicolás Maduro assumiu a liderança, a Venezuela está no centro de uma crise política e econômica e sofre ataques constantes da oposição.

Juan Guaidó e o Golpe

A crise na Venezuela se acentuou quando o líder da oposição ao atual governo, Juan Guaidó, se autodeclarou presidente interino em 23/01/2019, recebendo apoio de vários países, que já o reconhecem como presidente: Estados Unidos, Brasil, Canadá, Paraguai, Argentina, Colômbia, Peru, Equador, Costa Rica, Chile, Guatemala, França, Dinamarca, Albânia, Espanha, mesmo que o ato seja tenha sido uma espécie de Golpe.

No sábado, dia 23/02/2019, remédios e medicamentos enviados pelos Estados Unidos e pelo Brasil deveriam chegar à Venezuela como resposta ao pedido de ajuda humanitária da oposição ao regime de Chávez, hoje sob a liderança de Maduro no país. No entanto, o então presidente ordenou que as divisas venezuelanas fossem fechadas às vésperas do envio.

Mesmo assim, caminhões com mantimentos são enviados pelo Brasil em conjunto com os Estados Unidos para a Venezuela. O ministro Ernesto Araújo, diplomata brasileiro, seguiu para Pacaraima para garantir que esses caminhões com ajuda humanitária fossem enviados, mas a situação é drástica, com confrontos e cargas presas em trânsito. Já houve mortes nas fronteiras brasileiras.

Guaidó quer comandar um governo de transição e realizar novas eleições no país. Mas isso não é tão fácil, já que as Forças Armadas da Venezuela ainda estão, em sua maioria, apoiando Maduro. A possibilidade de intervenção militar no país também é baixa, já que teria que passar pelo Conselho de Segurança da ONU: a Rússia e China não aceitariam a intervenção, já que apoiam Maduro e têm poder de veto.

Atualizado em: 04/04/2019 na categoria: História Geral